Mittwoch, 27. November 2019

Dem Kraftwerk Belo Monte fehlt das Wasser

Worauf Wissenschaftler und Umweltaktivisten von Anfang an als Kritik gegen den Bau des Kraftwerks Belo Monte vorgebracht hatten wird jetzt spürbar: der Xingu-Fluss führt zu wenig Wasser, um die 18 Turbinen betreiben zu können.

Norte Energia veröffentlicht fast täglich den Pegelstand und die Fließ-Wassermenge des Xingu - selten werden während des letzten halben Jahres 97 m erreicht.  Bei der Quote 96 m kann nur eine Turbine während zwei Stunden am Tag funktionieren. Am Tag der Inbetriebnahme der 18. Turbinew am 19.11. betrug der Wasserstand 95,91 m

Kritisch wird es beim Pegelstand 95,2 m - da müssen die Turbinen abgeschaltet werden. Außerdem sind hier wegen der Austrocknung auch Erosionen am Damm zu befürchten.

Blog Telma Monteiro, 25 de novembro, 2019
Belo Monte: vazão do rio Xingu não dá para operar as turbinas
Todos sabiam que construir Belo Monte traria prejuízos inenarráveis, sociais, ambientais e financeiros. Os recursos para construir o monstro do Xingu saíram dos cofres públicos, a juros subsidiados e com carência de 10 anos. Para produzir quase nada de energia. Não dá para iluminar a Itália!


Istoé, 22/11/2019
Incerteza em Belo Monte
Documento aponta risco de erosão caso a vazão do rio Xingu seja afetada por secas rigorosas, como as cinco registradas desde 1971. A Norte Energia nega o problema
A Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará, foi idealizada para solucionar os problemas sazonais de oferta de energia no Brasil, compensando a época do ano em que os reservatórios das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste estão prejudicados pela estação seca. Só que um aparente erro no projeto surgiu um mês antes de ser autorizado o início da operação comercial da última das 18 turbinas principais da usina.

Um documento assinado pelo diretor-presidente da concessionária Norte Energia, Paulo Roberto Ribeiro Pinto, em 11 de outubro, pediu à presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Christianne Dias Ferreira, autorização para uma “ação urgente para controle do nível do Reservatório Xingu” diante de severas estiagens, como a atual. O documento, divulgado pelo site El País, afirma que a usina hidrelétrica precisa manter uma vazão acima do mínimo de 700 metros cúbicos por segundo para abastecer a Volta Grande do Xingu, trecho onde o rio foi desviado. As populações ribeirinhas e indígenas daquela área sofrem com o encolhimento do rio, o que afetou a pesca, o meio ambiente e o abastecimento. Com a redução do fluxo, tudo ficaria pior.

Vazão reduzida

Para evitar o problema, a Norte Energia quer reduzir a vazão no reservatório artificial, que dá direto nas turbinas principais, para permitir que a Volta Grande receba água suficiente. A ideia é razoável, só que o documento também cita um risco à integridade da barragem do Pimental, caso o nível do reservatório caia abaixo de 95,2 metros. A partir daí, o talude da barragem deixa de contar com a proteção de rochas, ficando sujeito à erosão. O documento afirma: “pode resultar em danos estruturais à principal barragem do rio Xingu, que é Pimental”. Em nota, a Norte Energia negou os riscos, afirmando que mudanças na vazão estão previstas nas manobras de operação do reservatório. Até pode ser, mas ao custo de R$ 40 bilhões, os projetistas e operadores de Belo Monte deveriam ter sido mais cautelosos.


El País (Eliane Brum), 8.11.2019
Erro de projeto coloca estrutura de Belo Monte em risco
Em outubro, a Norte Energia SA afirmou em documento que precisava alterar a vazão do reservatório intermediário, devido à seca severa do Xingu, para evitar danos estruturais na barragem principal. Cenário lança incertezas sobre a segurança da hidrelétrica

Norte Energia
Vazões e Níveis do rio Xingu
Acompanhe, de segunda à sexta-feira, a previsão das condições hidrológicas do rio Xingu na área de influência da UHE Belo Monte.

Researchgate.net, December 2016
Modelo de previsão fluviométrica para o rio Xingu na cidade de Altamira – PA

Rodolfo Salm, 16/11/2019
Belo Monte: miséria e degradação na Volta Grande do rio Xingu
O novo drama para o povo e a ecologia da Volta Grande é que a administração da hidrelétrica de Belo Monte emitiu um alerta de que o nível do reservatório Xingu (que se situa sobre o leito natural do rio, logo acima do Trecho de Vazão Reduzida) não pode ficar abaixo de 95,2 m ou a estrutura da barragem principal de Belo Monte no rio Xingu poderia ser comprometida. Para tal, pediram permissão para eventualmente não deixar passar nem mesmo o mínimo de 700 m3/segundo que já sabemos estar causando a situação caótica que testemunhamos. Confirmando-se a inviabilidade dessa situação, é certo que os barrageiros irão propor a construção de novas usinas rio-acima no Xingu, conforme o projeto desenhado originalmente pelos governos militares, que armazenariam água na estação chuvosa e ajudariam a regular a vazão do rio na estação seca. Isso não pode acontecer.